sábado, 27 de julho de 2013

As Crianças De Olhos Negros

Black-Eyed People (Pessoas de olhos negros), as vezes chamadas de Black-Eyed Children (Crianças de olhos negros) ou BEK (sigla para Black-eyed Kids, que seria a mesma tradução do anterior) são jovens, na maioria das vezes crianças, com os olhos totalmente negros onde não há diferenciação entre esclerótica, pupila e íris. A pele é descrita como extremamente pálida e, ocasionalmente, até azul  ou azulada como a de um cadáver. Testemunhas descrevem suas roupas como muito estranhas e monótonas – calça jeans e um casaco de capuz ou muito antiquado, roupas feitas à mão. Fenômenos elétricos bizarros ocorrem quando eles estão por perto, como uma porta de garagem inexplicavelmente abrindo sozinha e lâmpadas de postes explodindo ou parando de funcionar repentinamente. Aqueles que dizem tem tido encontros com estes geralmente sentem que as crianças eram sobrenaturais e extremamente perigosas, mesmo não sabendo explicar o porque. 

Geralmente são vistas brincando, ou jogando algum jogo e cantando músicas de ninar macabras como "Old Father long-legs" que descreve algo como "Pai velho, pernas longas/Não consegue dizer suas rezas:/Pegue-o pela sua perna esquerda/E jogue-o escada abaixo/E quando estiver lá em baixo/Pegue-o pela perna direita/E jogue-o para cima de novo", ou a música "He jumped into a bramble bush" que em tradução direta diz "Havia um homem tão esperto/Ele pulou em um/Canteiro de espinhos/E arranhou ambos os olhos/E quando viu/Seus olhos estavam fora de órbita/E com motivos para reclamar/Ele pulou em uma cerca viva/ E os arranhou novamente". 

Quando vistos nessas circunstâncias, estão sozinhos ou perto de áreas desertas, talvez na janela de seu carro, quartos de hotéis ou até em barcos. É relatado dessas crianças aparecerem sozinhas ou em grupos de máxima de 4 crianças, parecendo ser muito confiantes, ainda assim tímidos, pois evitam cruzar olhares com adultos, sempre olhando para baixo. Apesar da timidez, possuem um vocabulário muito vasto para a idade que aparentam ter, falando eloquentemente, em um tom monótono, com padrões de fala que  poucos adultos possuem ou costumam usar e, em alguns casos, possuem até a voz de um adulto. Eles não dizem muito mais que "Deixem-nos entrar. Não vamos te machucar. Não vai demorar muito."



Normalmente eles tentam entrar nas casas das vítimas com desculpas bem formas como a necessidade de usar o telefone para fazer um telefonema para seus pais ou talvez se abrigar de algum perigo não especificado, beber um copo d'água ou qualquer outra coisa. As vezes respondem perguntas especificas com respostas sem contesto como "Já está na hora da janta?" ou "Estou com medo". No momento em que a vitima coloca os olhos nestas crianças, elas param de brincar e ficam encarando, se aproximam pedindo um lugar pra ficar ou pedem uma carona para casa. Muitas pessoas que acreditam estar fazendo o bem para estas crianças, acabam por concordar com os pedidos, mesmo que o pedido seja vago, não conclusivo e não entenda o porque.

 Se a vítima descobre que os olhos das crianças são negros e pergunta sobre, estas ficam muito irritadas e insistentes que você cumpra com o que pediram rapidamente. Algumas pessoas que tiveram encontros com BEKs dizem achar que as crianças usam algum artefato que venha a controlar levemente a mente da vitima, para que seja completa a demanda.
As experiências envolvendo BEKs não explica a causa da coloração dos olhos das crianças ou a própria origem deles. Alguns supõem ser espíritos  de crianças perdidas ou assassinadas mas em suma são ditos ser os que trazem a malevolência e desgraça pessoal na vida de uma pessoa. Quem presenciou esses seres dizem que as crianças precisam ser convidados voluntariamente para suas casas ou carro em questão, como se é visto a séculos em contos e relatos sobre vampiros. No entanto, não há relatos do que acontece se você permitir a entrada dos BEK.


                                                          CASOS E RELATOS

Casos envolvendo BEKs são encontrados desde os primórdios da internet nos anos 90, quando fóruns faziam sucesso e eram recheados de histórias de terror. Sempre descritos geralmente por pessoas anônimas em fóruns, blogs, sites sobrenaturais ou que envolvam o tema. São relatos vindo de todas as partes do mundo, mas é raro ter informações concretas de onde os BEKs foram avistados. Leia alguns relatos:

  • Eu tinha chegado do trabalho, cansado e louco para tomar um banho. Me lembro que todo o caminho do trabalho até meu apartamento eu me sentia desconfortável, como se alguém estivesse me observando constantemente, então achei que um banho quente faria essa sensação ir embora.
    Quando coloquei minha pasta na mesa da cozinha, a campainha soou. Fui até a porta e vi três crianças, todas meninas entre 6 e 9 anos de idade. Duas estavam de costas e uma menina bem pequena que parecia no máximo ter 6 anos, com a pele muito branca e cabelos castanhos estava virada em minha direção. Ela não olhava diretamente pra mim, e sim para dentro da minha casa. "O que desejam, crianças?" perguntei, achando que estavam vendendo biscoitos ou algo do tipo, mesmo  sendo tarde da noite."Gostaríamos de ter permissão para entrar, Senhor." Achei estranho. Nos dias de hoje crianças não adentram casas de adultos sozinhos assim. "Não, não podem. Desculpe." E fechei a porta.Não demorou nem um minuto e a campainha soou de novo. "O que foi agora?" perguntei, um pouco nervoso. "Estamos perdidas, precisamos de sua ajuda para ligar para nossos pais ou queremos uma carona." Ela então levantou o rosto e me fitou com os grandes olhos enegrecidos. Eu tinha a sensação de ficar ouvindo "Por favor" dentro da minha cabeça, junto com "Deixe-nos entrar". "Não! Estou ocupado e vocês não vão poder entrar aqui nunca".Você vê, eu sou um homem muito tranquilo, e não me estresso rapidamente. Mas aqueles olhos e a voz distorcida me assustaram bastante e não achei que era uma boa ideia deixar aquelas crianças de olhos negros entrarem na minha casa. Tocaram a campainha mais 3 vezes e depois nunca mais as vi de novo.


  • Kerrie (nome fictício) não tinha intenção de parar no shopping central de sua cidade quando estava voltando da faculdade, mas ela o fez. Ela deseja até o hoje que não tivesse feito isso."Havia poucas pessoas lá naquele dia e eu achei muito estranho o quão quieto estava o local" Kerrie, 20 anos, disse. "Enquanto voltava para meu carro, virei em uma esquina e vi uma senhora de idade junto de um menino.Ele imediatamente chamou minha atenção porque era estranho, diferente de qualquer pessoa que já tinha visto."O garoto, por volta dos doze anos de idade, parecia normal a primeira vista, mas enquanto Kerrie o observava falar com a senhora, ele parecia qualquer coisa, menos normal. O cabelo negro contrastava fortemente com a pele pálida; olheiras enormes debaixo de seus olhos. "Era como se ele não tivesse dormido em semanas" diz Kerrie,"Tinha um rosto muito magro".Enquanto se aproximava dos dois, ela ouviu a conversa. Em uma voz baixa, mas forte, o garoto pedia ajuda para a mulher. "Ele estava muito rígido com suas mãos esticadas do lado do corpo olhando para o chão enquanto ela procurava algo em sua bolsa para dar a ele." Diz Kerrie,"Conforme eu ia chegando perto eu percebia que ele ficava cada vez mais inconfortável".O garoto mudou de posição quando Kerrie passou por eles indo em direção ao carro, e então levantou o rosto e fez contato visual com ela. "Eu congelei. Seus olhos eram negros como a noite, opacos, quase como mortos," disse. "O olhar que ele me deu me assombra até hoje. O sentimento que ainda tenho é como se ele não estivesse totalmente lá, quase que fantasmagórico."Com os olhos fixado em Kerrie, o menino se virou lentamente e sem esperar o que receberia da senhora, simplesmente saiu andando. Kerrie não sabe quem ou o que era esse garoto, mas esta memória ficará com ela para sempre. 'O olhar dele ficou gravado em mim pra sempre. Era como se ele soubesse o que eu estava pensando".
  • Eram cerca de 22:45 em uma noite quente, quando Carris Holdsworth de dezoito anos se aproximava de seu apartamento em Lisburn, na Irlanda do Norte. Ela viu dois adolescentes vestidos com moletons de capuz e jeans de pé em seu quintal de costas para ela.Quando ela tentou passar sem ser vista, ela se atrapalhou procurando em sua bolsa pelo spray de pimenta. Naquele momento, os garotos se viraram para ela e, como se estivessem lido a sua mente, um deles disse: “Não há necessidade para isso, nós só queremos pedir seu telefone, senhorita.”Quando ela teve um vislumbre de seus olhos, eles eram completamente negros, não havia um traço de branco ou uma pupila, ela entrou em pânico e correu para seu apartamento, fechando a porta atrás dela. Os meninos seguiram logo atrás, batendo em sua porta.Ela ignorou. Depois de uma segunda batida, temendo por sua segurança, ela ligou para um amigo para vir ajudá-la. Quando o amigo chegou, os garotos fugiram.
  • Quando um homem em Dallas chegou em casa, ele viu um rapaz em sua porta que repetia “Eu acho que é hora de comer algo. Você deve convidar-me para entrar em sua casa?" O cachorro Pit Bull do homem veio correndo em direção à porta da frente, mas na medida que ele se aproximou do garoto de olhos negros, o cão gemeu e fugiu, escondendo-se debaixo da cama durante dias depois do fato.







































TEORIAS:


VAMPIROS
Para começar, a maior parte dos encontros BEKs consistem de jovens homens, que empregam vozes hipnóticas e fascinantes olhos negros para tentar coagir as suas “vítimas” a fazer o que desejam.
Em segundo lugar, esses seres têm demonstrado uma incapacidade evidente de poderem entrar em propriedade de alguém sem ter sido convidado. É difícil argumentar que esses atributos sempre tenham sido vistos em lendas vampirescas.
Apesar de, até agora, o consumo de sangue não tenha sido relatado em qualquer encontros com os BEKs, vale ressaltar que não há uma única história de alguém que sucumbiu às demandas desses seres e realmente permitiu-lhes entrar em sua casa, carro ou loja.

Assim, supondo que não estamos lidando com vampiros, então falemos sobre a possibilidade igualmente estranho que essas entidades possam ser…


HÍBRIDOS HUMANOS/ALIEN/NEPHILINS

As poucas evidências que sugerem que os BEKs pode ser o resultado de uma síntese estranha de DNA humano e extraterrestre não vem de nenhum relato de UFOs vistos nos locais dos encontros com os BEK, mas a vaga referência de alguns abduzidos por alienígenas do sexo feminino tiveram encontros com bebês alienígenas meio-humano, meio-cinzentos que foram supostamente criados utilizando os seus óvulos não fertilizados, que foram extraídos a partir deles notoriamente durante os exames invasivos dos extraterrestres.
Mais do que algumas dessas infelizes mulheres reivindicaram que entraram em contacto com os bebês humanóides, que elas descreveram como tendo pele sombreado de oliva e olhos negros, amendoados.

Francamente, essa suposição oferece dados apenas o suficiente para até mesmo considerarmos como uma teoria, mas uma explicação mais plausível de que BEKs realmente sejam…

ALMAS PERDIDAS

Enquanto alguns podem ser tentados a pensar que os BEKs sejam apenas os espíritos perdidos de crianças que partiram e estão tristemente vagando pela Terra em busca de ajuda dos adultos, deve-se notar que, em cada caso, as testemunhas afirmaram ter sentido um medo arrepiante quando elas entraram em contato com esses seres.
É como se eles instintivamente soubessem que elas não estavam lidando com crianças inofensivas, mas predadores perigosos disfarçado. É certo que apenas o ”instinto” não é fácil de classificar como prova, mas a universalidade desse sentimento em quem se depara com BEKs torna difícil descartar.



Mas o que deixa em aberto a possibilidade paranormal alternativa é que esses seres podem ser apenas...

DEMÔNIOS DISFARÇADOS


Como a existência da Arca de Noé ou as tábuas de pedra que Moisés recuperou do pico do Monte Sinai, a crença em demônios é uma questão de fé. Se alguém está predisposto a acreditar na existência de entidades angelicais ou demoníacas, então seria duramente pressionado para não considerar o fato de que os BEKs pode ser uma antiga forma de manifestação e deslocamento de criaturas das profundezas do inferno.
Isto não é mais ou menos razoável do que qualquer outro, de fato, quando se considera a aura de maldade que permeia e são emitidas por BEKs, tornando esta opção absolutamente plausível.
Claro que, se estes são os demônios sob o disfarce de jovens seres humanos, deve-se perguntar por que eles não estão jogando o seu charme nefasto sedutor ao invés de empregar personas palpavelmente estranhas como as descritas aqui? 

Então, quem são essas crianças, esses seres que metem tanto medo nos que cruzam seus caminhos? Espiritos perdidos? Vampiros? Hibridos de Aliens e Humanos? Seres que se alimentam do medo que geram? Entidades demoniacas?

Weatherly, escritor do livro Black Eyed Children, acredita que estes seres podem ter algum tipo de origem demoníaca, pois em alguns relatos dessas crianças elas simplesmente desapareceram no ar, e algumas testemunhas relatam uma súbita maré de azar depois de um encontro com essas “crianças” de olhos negros.


Há apenas muitos “X” fatores envolvidos nesse ponto. Mas se os Beks são fantasmas, vampiros, demônios, meio-alienígenas, mitos da internet ou brincadeira de adolescentes propensos com contatos com o lado obscuro, antropólogos e folcloristas devem tomar nota de como esta marca uma das poucas vezes na história gravada quando uma lenda pode ser atribuída a uma hora específica, local e individual.

Nenhum comentário:

Postar um comentário